segunda-feira, 26 de agosto de 2013

O Médico Real - V

Ei, Glasby, passa pra cá esse rum, seu sacripanta!

O velho John tinha um navio galante.. e todas as meretrizes do cais...até que uma corda ligeira... fez o John ser passado pra trás...

Um dia aquele Silver aparecerá aqui também, e nesse dia eu...

De olhos fechados, Charles discernia a algazarra dos piratas espalhados pelo porto, a música ruim e o odor marítimo misturado ao perfume barato de prostitutas. Em terra, eles não passavam de arruaceiros da pior espécie, causando todos os tipos de problemas e lembrando-o de que vivia entre os proscritos da sociedade, independente de sua educação superior.

Mas graças a isso, posso trabalhar livre de moralismos desnecessários. É o preço a se pagar pelo avanço científico... mas... o que há com essa cama, mais dura do que o usual...

Charles se mexeu um pouco, fazendo uma leve careta e abrindo um dos olhos. Os borrões que enxergou pareciam enganar seus sentidos, mas quando viu-se totalmente alerta, nada mudara no cenário. Grupos de piratas jogavam, bebiam, cortejavam e brigavam, o que a princípio era completamente normal.

Estamos todos bêbados, bêbados de cair...
e todos que não estiverem bêbados, deem o fora daqui!*

Tirando o fato de que alguns estavam apodrecendo, outros eram esqueletos com vestes rasgadas e puídas, que o chão e os objetos eram feitos de velhas ossadas e que as garrafas estavam cheias de areia, não de rum. A atmosfera viciada como uma nuvem de carne podre não incomodava as criaturas, que continuavam a cantoria ser dar atenção ao aterrorizado recém-chegado ajoelhado na beira de um mar sem ondas.

O açougueiro sem dedo que trabalhava no cais
Passava o dia fazendo piada da falta que o dedo lhe faz!*

Charles levantou-se cambaleante,o ambiente bizarro rodopiando ao seu redor. Sua capa e cartola haviam sumido e dado lugar a uma veste simples de viagem. Calçava botas de couro em vez dos sapatos lustrados e seu longo rabo de cavalo caía pelo ombro; reconheceu com asco que tudo estava assustadoramente conforme sua época de trabalho em alto-mar.

O que... é isso...? – finalmente conseguiu formular uma sentença completa entre os pensamentos atordoados – Onde... eu... estou...?

Onde mais poderia estar?

Apesar de tê-la enterrado no fundo de seu espírito junto com tudo que julgava indigno, Charles reconheceria aquela voz em qualquer situação. Para seu próprio desgosto, olhou para o lado e viu um pirata mais alto e forte que ele com os braços abertos em uma cordialidade exagerada. Sua pomposa figura de capitão não trazia nada de cadavérico ou anormal, excetuando-se, entretanto, o nó de enforcado pendurado em seu pescoço.

Bem-vindo a Londres, velho amigo! A nossa Londres!

... MORTIMER? – Charles saltou de lado, gelado como se seu sangue parasse de correr – Não pode ser... eu... eu fiz sua autópsia!!!

Eu sei! Eu estava lá! – o pirata riu grotescamente, dando um trago em seu cachimbo e coçando a barba bem feita – Faz tempo mesmo, hein Atkins... mas eu me lembro de tudo, claro... sabe que é burrice das as costas ao passado, não é? É como...

Ele se aproximava do médico, que o encarava chocado demais para racionalizar tantos absurdos e reagir adequadamente. Mas quando o rosto do capitão aproximou-se demais e transfigurou-se em uma caveira hedionda, seu senso de perigo pareceu despertar.

– … é como dar as costas a um pirata, não concorda, cirurgião da peste???

Gritando horrorizado, Charles desatou a correr pela paisagem desconhecida ao som das risadas vingativas do capitão putrefato.

3 comentários:

  1. Oh oh oh e uma garrafa de run!Onde está o "cirurgião da peste"?...no LIMBO cercado pelo seu Passado!!hahuahuahua..boa filha...o duro é esperar pela próxima segunda...ai ai...

    ResponderExcluir
  2. Night Dragon Ninja26 de agosto de 2013 23:46

    Sacripanta. Há quanto tempo não ouvia essa palavra!
    Argh! Como seria o odor barato de prostitutas? Aliás, prefiro não saber...
    "- Não pode ser... eu... eu fiz sua autópsia!!!" Melhor frase aterrorizante!
    Dá vontade de aparecer assim como Mortimer aos médicos malditos que nos atendem mal por aí!

    ResponderExcluir
  3. Saudações


    No início a rima (que achei ótima) e na sequência a bebida (fazendo o estrago esperado - positivamente falando - nos personagens).

    Deverás lançar seu conto em pdf em oportuna oportunidade, nobre Ana.


    Até mais!

    ResponderExcluir